‘Abdu’l-Bahá, Dirigente da Fé Bahá’í após o passamento de Bahá’u’lláh.

‘Abdu’l-Bahá – O Exemplo Perfeito

Citações de ‘Abdu’l-Bahá

Os escritos e palestras de ‘Abdu’l-Bahá são frutos de mais de meio século de trabalho prolífico. ‘Abdu’l-Bahá não foi um profeta e, em momento algum, reivindicou ter recebido revelação direta de Deus. Mas, como o Centro do Convênio de Bahá’u’lláh com Seus seguidores e o intérprete nomeado da Revelação Bahá’í, Seus Escritos tanto interpretam como são parte da escritura bahá’í.

Sua prodigiosa produção, até agora reunida em volumes publicados, consiste em correspondência pessoal, cartas gerais, exposições de temas específicos, livros, orações, poemas, palestras públicas e conversações registradas. ‘Abdu’l-Bahá era reconhecido por todos que chegavam a entrar em contato com Ele como um modelo de perfeição de estilo e eloquência distintivos.

Suas palavras são simples como a luz do sol; e, universais como a luz do sol...

— Yone Noguchi, escritor japonês

Segue abaixo, uma pequena seleção de trechos dos escritos e palestras de ‘Abdu’l-Bahá.

É certo, é indiscutível, que o criador do homem não se assemelha ao homem, pois é impossível uma criatura sem poder criar outra. O criador tem de possuir todas as perfeições, a fim de que possa criar… A contingência é a origem das imperfeições; Deus é a origem das perfeições. As imperfeições do mundo contingente são em si prova das perfeições de Deus.

(Respostas a Algumas Perguntas)

Deus é um; a humanidade é uma; os fundamentos da religião são um. Vamos adorá-Lo e dar louvores por todos os Seus grandes Profetas e Mensageiros que manifestaram Seu esplendor e glória.

(Palestras de ‘Abdu’l-Bahá em Londres)

A condição mais elevada, a suprema esfera, a mais nobre, mais sublime posição na criação, seja visível ou invisível, seja alfa ou ômega, é aquela dos Profetas de Deus, não obstante o fato de que geralmente eles têm, para o mundo exterior, a aparência de nada possuírem a não ser sua própria pobreza.

( O Segredo da Civilização Divina )

As sublimes Manifestações de Deus tinham conceito universal, que a tudo incluía. Elas esforçaram-Se pelo bem da vida de todos e ocuparam-Se em promover educação universal. O campo de Seus objetivos não era limitado - não, antes, era amplo e a tudo abrangia.

( Seleção dos Escritos de ‘Abdu’l-Bahá )

As religiões divinas foram fundadas com o propósito de unificar a humanidade e estabelecer a paz universal. Qualquer movimento que crie paz e concórdia na sociedade humana é verdadeiramente um movimento divino; qualquer reforma que faça as pessoas se reunirem sob o abrigo do mesmo tabernáculo é certamente animado por motivos celestiais.

( A Promulgação da Paz Universal )

Agora, a nova era aqui está, e a criação já renasceu. A humanidade adquiriu vida nova. O outono já se foi e a primavera ressuscitadora já raiou. Todas as coisas agora se fizeram novas. As artes e a indústria renasceram, há novas descobertas na ciência, e novas invenções; até mesmo os detalhes da vida humana—como o vestuário, os pertences pessoais e até as armas — foram todos, igualmente, renovados. Revisaram-se as leis e normas de cada governo. Renovar é a ordem do dia.

E a fonte de todas essas novidades são as novas efusões de maravilhosa graça e favor emanadas do Senhor do Reino, as quais renovaram o mundo. As pessoas, consequentemente, devem ser libertadas por completo dos velhos padrões de pensamento, para que toda a sua atenção concentre-se nesses novos princípios, pois estes são a luz do nosso tempo e o verdadeiro espírito desta época.

( Seleção dos Escritos de ‘Abdu’l-Bahá )

Está chegando o dia em que todas as religiões do mundo serão unidas, pois em princípio já são uma só. Nenhuma necessidade há de divisão, visto que somente formas exteriores as separam. Entre os filhos dos homens, alguns estão sofrendo por falta de conhecimento: apressemo-nos a ensiná-los; outros são semelhantes a crianças precisando de cuidado e educação até que estejam crescidas, e alguns são doentes – a estes devemos levar a cura Divina.

( Palestras de ‘Abdu’l-Bahá em Paris )

O amor é a maior lei que governa este ciclo poderoso e celestial, o poder sem igual que liga os diversos elementos deste mundo material, a suprema força magnética que dirige os movimentos das esferas nos domínios celestiais.

( Seleção dos Escritos de ‘Abdu’l-Bahá )

Bahá’u’lláh delineou o círculo da unidade; ele fez um plano para a união de todos os povos e para a reunião de todos sob a proteção da tenda da unidade universal. Esta é a obra da Generosidade Divina e todos nós devemos esforçar-nos, de corpo e alma, até que tenhamos a realidade da unidade no nosso meio e, assim trabalhando, a força nos será concedida.

( Palestras de ‘Abdu’l-Bahá em Paris )

Considerai as flores de um jardim! Apesar de se diferenciarem pela sua espécie, pela sua cor e pela sua forma, uma vez que sejam regadas pelas chuvas de uma só primavera, revivificadas pelos sopros de uma mesma brisa, revigoradas com os raios de um mesmo sol, esta diversidade lhes aumenta o encanto e a beleza. Que desagradável seria aos olhos se todas as flores e plantas, folhas e frutos, ramos e árvores deste jardim fossem da mesma forma e cor! A diversidade de coloração, forma e formato enriquece e embeleza o jardim e engrandece o seu efeito. De forma semelhante, quando as nuanças peculiares do pensamento, do temperamento e do caráter são combinadas através do poder e influência de um agente central, a beleza e glória da perfeição humana revelam-se e se tornam manifestas. Nada, a não ser a potência celestial do Verbo de Deus, o qual rege e transcende a realidade de todas as coisas, é capaz de harmonizar os pensamentos, sentimentos, ideias e convicções divergentes dos filhos dos homens.

( Epístolas do Plano Divino )

Sinceridade é a pedra fundamental da fé. Isto é, um indivíduo religioso deve desconsiderar seus desejos pessoais e procurar sinceramente servir o interesse público de qualquer forma que ele possa; e é impossível a um ser humano afastar-se de suas próprias vantagens egoístas e sacrificar seu próprio bem pelo bem da comunidade, a não ser através da verdadeira fé religiosa.

( O Segredo da Civilização Divina )

A verdadeira civilização desfraldará sua bandeira no íntimo do coração do mundo onde quer que um certo número de seus distinguidos e magnânimos soberanos – os brilhantes exemplares de devoção e determinação – erguerem-se, pelo bem-estar e a felicidade de toda humanidade, com resolução firme e visão clara, a fim de estabelecerem a Causa da Paz Universal. Eles devem fazer da Causa da Paz o objeto de consulta geral e buscar, por todos os meios em seu poder, estabelecer uma União das nações do mundo. Eles devem concluir um tratado obrigatório e estabelecer um convênio cujas provisões sejam sólidas, invioláveis e definidas. Eles devem proclamá-lo ao mundo inteiro e obter para ele a sanção de toda raça humana. Este supremo e nobre empreendimento – a verdadeira fonte da paz e bem-estar do mundo todo – deve ser considera- do como sagrado por todos os que habitam a Terra.

( O Segredo da Civilização Divina )

A educação e a instrução das crianças está entre os atos mais meritórios da humanidade, e atrai a graça e o favor do Todo- Misericordioso, pois a educação é o indispensável fundamento de toda a excelência humana e permite ao homem ascender às alturas da glória eterna.

( Seleção dos Escritos de ‘Abdu’l-Bahá )

A realidade do homem é o seu pensamento, não o seu corpo material. A força do pensamento e a força física são associadas. Embora o homem seja parte do reino animal, possui poder de pensamento superior a das demais criaturas.

Se o pensamento de um homem está constantemente voltado para os assuntos celestiais, então este homem tornar- se-á santo; se, ao contrário, ele não eleva seu pensamento, mas dirige-o para baixo, concentrando-se sobre as coisas deste mundo, cada vez mais se materializa até que chega a um estado pouco superior ao de um simples animal.

Algumas pessoas vangloriam-se em seus pensamentos exaltados, mas, se esses pensamentos nunca atingem o plano da ação, permanecem inúteis; a força do pensamento depende de sua manifestação em ação.

( Palestras de ‘Abdu’l-Bahá em Paris )

Quando surgir um pensamento de guerra, fazei-lhe oposição com um pensamento mais forte de paz. Um pensamento de ódio deve ser destruído por um mais poderoso pensamento de amor.  

( Palestras de ‘Abdu’l-Bahá em Paris )

Ó vós amados do Senhor! Nesta sagrada Dispensação, o conflito e a contenda de modo algum são permitidos. Todo agressor priva-se das graças de Deus. 

( Última Vontade e Testamento de ‘Abdu’l-Bahá )

Sede perfeitamente unidos. Jamais vos zangueis uns com os outros. Que vossos olhos estejam dirigidos para o reino da verdade e não para o reino da criação. Amai as criaturas por amor a Deus e não por elas mesmas. Jamais ficareis zangados ou impacientes se os amardes por amor a Deus. A humanidade não é perfeita. Há imperfeições em todo ser humano, e sempre ficareis infelizes se olhardes para as pessoas em si mesmas. Se, porém, contemplardes Deus, bondosos com eles e os amareis, pois o mundo de Deus é o mundo da perfeição e completa misericórdia. 

( A Promulgação da Paz Universal )

Hoje a mais premente de todas as tarefas é a purificação do caráter, a reforma da moral, a retificação da conduta. Cumpre aos bem-amados de Deus levantarem-se entre todos os povos com tais qualidades e ações que os ventos fragrantes que sopram sobre os jardins de santidade venham a perfumar toda a Terra e restaurar vida às almas mortas. A razão por que Deus Se tornou manifesto, e por que se irradiaram as luzes infinitas do domínio invisível, não é outra senão o treinamento das almas de todos os homens e o aperfeiçoamento do caráter de todos na Terra - de modo que indivíduos abençoados, que se tenham livrado das trevas do mundo animal, levantem-se, manifestando aquelas qualidades que são o adorno da realidade do homem.

( Seleção dos Escritos de ‘Abdu’l-Bahá )

Se, de todo o coração, desejais amizade com todas as raças da Terra, vosso pensamento, espiritual e positivo, propagar-se-á; virá a ser o desejo dos outros, tornando-se cada vez mais forte, até atingir as mentes de todos os homens.

( Palestras de ‘Abdu’l-Bahá em Paris )

Observação: