A Sede da Casa Universal de Justiça situa-se no ponto mais alto de um arco localizado no Monte Carmelo.

A Casa Universal de Justiça 

Citações da Casa Universal de Justiça

Através de suas comunicações, a Casa Universal de Justiça oferece análise, visão e direção para ajudar a crescente comunidade bahá’í global a participar da construção de uma civilização mundial. Entre essas cartas há uma dirigida à comunidade bahá’í em 21 de abril de cada ano – o primeiro dia do Ridván – conhecida como a mensagem do Ridván. De tempo em tempo, a Casa Universal de Justiça também dirige mensagens à sociedade mais ampla, oferecendo perspectivas sobre questões de interesse para o bem-estar do planeta.

Abaixo estão alguns breves trechos de mensagens da Casa Universal de Justiça. Uma coletânea mais ampla pode ser encontrada na Biblioteca Bahá´í.

A desunião é o problema crucial que tão severamente aflige o planeta. Ela permeia atitudes em todos os domínios da vida. Ela está no âmago de todos os principais conflitos entre nações e povos. Ainda mais séria é a desunião comum nas relações entre religiões e dentro de religiões, corrompendo a própria influência espiritual e moral que é seu propósito básico exercer.

( Aos bahá’ís do mundo, 26 de novembro de 1992 )

A comunidade bahá’í trabalhou assiduamente dentro da estrutura dos Planos globais promulgados pela Casa Universal de Justiça e conseguiu estabelecer um padrão de vida bahá’í que promove o desenvolvimento espiritual do indivíduo e canaliza as energias coletivas dos seus membros para o despertar espiritual da sociedade. Adquiriu a capacidade de alcançar grandes números de almas receptivas à mensagem, de as confirmar e de aprofundar a sua compreensão dos elementos essenciais da Fé que eles abraçaram. Aprendeu a traduzir o princípio da consulta enunciado pelo Seu Fundador em uma ferramenta eficaz para a tomada de decisões coletiva e a educar os seus membros na sua utilização. Criou programas para a educação espiritual e moral dos seus membros mais novos e estendeu-os não só às suas próprias crianças e pré-jovens mas também à comunidade em geral. Com uma vasta gama de talentos à sua disposição, criou um rico conjunto de literatura que inclui volumes em muitas línguas dirigidos às suas necessidades internas assim como aos interesses do público em geral. Envolveu-se cada vez mais nos assuntos da sociedade em geral, realizando um conjunto de projetos de desenvolvimento sócio-econômico... tem feito progressos significativos na multiplicação dos seus recursos humanos através de um programa de formação que chega às bases da comunidade e descobriu métodos e instrumentos para o estabelecimento de um padrão sustentável de crescimento.

( Aos bahá’ís do mundo, Ridván de 2006 )

Milhares após milhares de pessoas, representando a diversidade de toda a família humana, estão engajadas no estudo sistemático da Palavra Criativa num ambiente ao mesmo tempo sério e arrebatador. À medida que, através de um processo de ação, reflexão e consulta, esforçam-se em aplicar as percepções assim adquiridas, veem sua capacidade de servir à Causa elevar-se a níveis inéditos. Respondendo aos anseios íntimos de todo coração de comungar com seu Criador, eles realizam atos de adoração coletiva em diversos ambientes, unindo-se a outros em oração, despertando susceptibilidades espirituais e modelando um padrão de vida que distingue-se pelo seu caráter devocional. Ao convidarem uns aos outros às suas casas e ao visitarem famílias, amigos e conhecidos, envolvem-se numa resoluta conversação sobre temas de cunho espiritual, aprofundam seu conhecimento da Fé, compartilham a mensagem de Bahá'u'lláh e acolhem, calorosamente um crescente número dos que unem-se a eles num poderoso empreendimento espiritual. Cientes das aspirações das crianças do mundo e sua necessidade de educação espiritual eles ampliam seus esforços consideravelmente para envolver um contingente cada vez maior de participantes em aulas que tornam-se centros de atração para esta geração e fortalecem as raízes da Fé na sociedade. Auxiliam pré-jovens a atravessarem um estágio crucial de suas vidas e a se capacitarem em direcionar suas energias para o avanço da civilização. E com a vantagem de uma maior abundância de recursos humanos, um número cada vez maior deles está apto a expressar sua fé através de uma crescente onda de esforços que respondem às necessidades da humanidade, tanto na dimensão espiritual como material.

( Aos bahá’ís do mundo, Ridván de 2008 )

As crianças são o tesouro mais precioso que uma comunidade possui, pois nelas está a promessa e a garantia do futuro. Elas carregam a semente do caráter da futura sociedade, que é moldada por aquilo que os adultos – que constituem a comunidade – fizerem ou deixarem de fazer com relação a elas. As crianças são um fideicomisso que nenhuma comunidade pode negligenciar impunemente. Um amor todo-envolvente pelas crianças, a maneira como são tratadas, a qualidade de atenção demonstrada a elas, o espírito do comportamento adulto para com elas – tudo isso faz parte dos aspectos vitais da atitude requerida. O amor exige disciplina, a coragem de acostumar as crianças às dificuldades, de não ser indulgente com seus caprichos ou deixá-las inteiramente ao sabor de seus próprios meios. É necessário manter uma atmosfera pela qual as crianças sintam que pertencem à comunidade e compartilham de seus propósitos.

( Aos bahá’ís do mundo, Ridván de 2000 )

A perpetuação da ignorância é a mais lamentável forma de opressão; ela reforça os muitos muros de preconceito que permanecem como barreiras para a compreensão da unicidade do gênero humano, simultaneamente a meta e o princípio operacional da Revelação de Bahá’u’lláh. O acesso ao conhecimento é direito de cada ser humano, e a participação em sua geração, aplicação e difusão, uma responsabilidade que todos devem ombrear no grande empreendimento de construir uma próspera civilização mundial - cada indivíduo de acordo com seus talentos e habilidades. A justiça requer participação universal. Desse modo, embora a ação social implique na provisão de bens e serviços de alguma forma, sua preocupação principal deve ser capacitar uma dada população para que esta participe na criação de um mundo melhor.

( Aos bahá’ís do mundo, Ridván de 2010 )

Ao longo da história humana, as interações entre estes três têm sido cheias de dificuldades em cada turno, com o indivíduo clamando pela liberdade, a instituição exigindo submissão, e a comunidade afirmando sua primazia. Cada sociedade tem definido, de uma forma ou de outra, as relações que unem os três, dando origem a períodos de estabilidade, entrelaçada com agitação. Hoje, nesta época de transição, enquanto a humanidade se esforça para atingir sua maturidade coletiva, tais relacionamentos – ou melhor, a própria concepção de indivíduo, de instituições sociais e da comunidade - continuam a ser assaltados por incontáveis crises. A crise mundial de autoridade fornece provas suficientes. Tão grave foram os seus abusos, e tão profunda a suspeita e o ressentimento que agora desperta, que o mundo está se tornando cada vez mais ingovernável, uma situação que se faz tanto mais perigosa pelo enfraquecimento dos laços comunitários.

Todo seguidor de Bahá'u'lláh sabe muito bem que o propósito de Sua Revelação é trazer à luz uma nova criação. Mal o "Primeiro Chamado saiu dos Seus lábios e a criação inteira foi revolucionada, e todos os que estão nos céus e todos os que estão na terra foram profundamente agitados." O indivíduo, as instituições e a comunidade – os três protagonistas do Plano Divino – estão sendo moldados sob a influência direta de Sua Revelação, e uma nova concepção de cada um deles, apropriada para uma humanidade que chegou à maturidade, está emergindo. As relações que os ligam, também, estão passando por uma profunda transformação, trazendo para o âmbito da existência forças de construção da civilização que só podem ser liberadas através da conformidade com o Seu decreto.

( À Conferência do Corpo Continental de Conselheiros, 28 de dezembro de 2010 )

A Grande Paz - para a qual as pessoas de boa vontade orientaram os seus corações através dos séculos, acerca da qual inúmeras gerações de profetas e poetas expressaram as suas visões, e cuja promessa foi continuamente reafirmada ao longo das eras nas escrituras sagradas da humanidade - encontra-se agora, finalmente, ao alcance das nações. Pela primeira vez na História, é agora possível ver o planeta em sua totalidade, com os seus mil e um povos diversificados, a partir da mesma perspectiva. A paz mundial não é somente possível, mas inevitável. É o próximo estágio na evolução deste planeta...

( A Promessa da Paz Mundial )

A proscrição das armas nucleares, a proibição do uso de gases venenosos ou a interdição da guerra bacteriológica não eliminarão as causas básicas das guerras. Por mais importantes que tais medidas práticas obviamente sejam, como elementos do processo de apaziguamento, por si só elas são demasiado superficiais para poderem ter um efeito duradouro...Há que adotar uma estrutura universal genuína.

( A Promessa da Paz Mundial )

A cada dia que passa cresce o perigo de que os fogos crescentes do preconceito religioso venham a provocar uma conflagração mundial cujas consequências são inimagináveis. É um perigo que o governo civil não pode enfrentar sozinho. Tampouco nos deveríamos iludir de que apelos pela tolerância mútua possam, por si só, extinguir as animosidades que reivindicam contar com a sanção divina. A crise exige da liderança religiosa uma ruptura com o passado tão decisiva quanto aquelas que abriram o caminho para que a sociedade resolvesse os preconceitos igualmente corrosivos de raça, gênero e nacionalidade. Qualquer exercício de influência em questões de consciência somente se justifica no serviço ao bem-estar da humanidade. Neste mais decisivo momento da história da civilização, as exigências deste serviço não poderiam estar mais claras. “O bem-estar da humanidade, sua paz e segurança, são irrealizáveis”, exorta Bahá’u’lláh, “a não ser que, primeiro, se estabeleça firmemente a sua unidade”.

( Carta aos Líderes Religiosos do Mundo )

Observação: